Chamada de Trabalhos

Crónicas Artísticas da Era Moderna: Explorando Expressões Culturais Contemporâneas

A exploração da cultura contemporânea e as suas manifestações na arte é de suma importância no mundo de hoje, em rápida evolução. À medida que a sociedade passa por mudanças transformadoras, também o faz o nosso entendimento da cultura e das formas como ela se expressa através da arte. Este número especial procura abordar essa evolução, reconhecendo que a arte não é apenas um reflexo da cultura, mas uma força dinâmica que molda e desafia normas e valores culturais.

As expressões culturais contemporâneas, seja através das artes visuais, literatura, música ou performance, são janelas para as complexidades do nosso tempo que refletem desenvolvimentos sociais, políticos, tecnológicos e filosóficos que definem a nossa era. Ao aprofundá-las, obtemos perceções sobre a condição humana e as forças que impulsionam a mudança cultural.

A expressão "Crónicas Artísticas” sublinha a ideia de que a arte serve como um registo do nosso tempo, capturando o espírito, as preocupações e aspirações da sociedade contemporânea. Isso implica uma qualidade narrativa que convide os leitores a envolverem-se com as histórias contadas através das criações artísticas.

O principal objetivo deste número especial é proporcionar uma análise abrangente das expressões culturais contemporâneas na arte. Pretendemos facilitar o diálogo e a análise crítica, permitindo que académicos, artistas, filósofos e leitores se envolvam numa exploração ponderada das formas como a arte tanto reflete como influencia a cultura moderna.

Esta chamada sublinha a importância da arte como um registo do nosso tempo e um catalisador para o discurso cultural, inspirando, informando e provocando uma reflexão junto de um público diversificado e comprometido.

Convidamo-lo a embarcar nesta viagem filosófica, mergulhando na paisagem sempre em evolução da cultura contemporânea e nas suas expressões artísticas.

Damos as boas-vindas a contribuições que explorem os seguintes temas, mas não somente:

  1. Exploração do género e características estilísticas em narrativas culturais contemporânea.
  2. Investigação do papel das artes visuais na formação da identidade cultural.
  3. Análise de figuras emblemáticas da cultura popular moderna.
  4. Exame da identidade de género no contexto mais amplo do património cultural.
  5. Descoberta das origens históricas e culturais das expressões artísticas.
  6. Exploração de elementos cómicos dentro das práticas culturais contemporâneas.
  7. Investigação de aspetos teóricos e práticos da comunicação intercultural através da lente da linguoculturologia.
  8. Análise das representações das mulheres na cultura popular e de massas, situadas no contexto das representações artísticas modernas.

Contribuições que abordem estes temas a partir de diversas perspetivas disciplinares são bem-vindas para consideração neste próximo número.

Editor: Svitlana Derkach (Universidade Nacional de Cultura e Artes de Kiev) svit_derkach@ukr.net

Svitlana Derkach é artista e professora na Universidade Nacional de Cultura e Artes de Kiev. Publicou mais de 60 trabalhos de âmbito educacional e metodológico, dos quais se destaca o livro Directing Mass Celebrations.

Especialista em direção de espetáculos, Svitlana Derkach já dirigiu e organizou mais de 300 concertos, espetáculos, programas de televisão, cerimónias solenes, celebrações em massa, entre outros eventos.

Datas Importantes:

Prazo para submissão de artigos: 23 de setembro de 2024

Notificação de aceitação: 13 de janeiro de 2025

Submissão da versão final: 24 de janeiro de 2025

Publicação: 27 de fevereiro de 2025

A chamada para a secção Varia, que acolhe artigos com temas livres, bem como Crónicas de Arte e Entrevistas, permanece aberta em fluxo contínuo.

Ficção Viva: envios até 30 de abril

O pensamento ficcional acompanha o próprio pensamento humano, como ser inventivo, inquieto de enredos, que conta a si e ao outro como modo de perceber-se tecelão e tecido da própria vida. A Ficção Viva, nesses termos, é aquela em que, na lida da vida e da arte, distinguir um e outro (vida e arte) já não é possível e nem o objetivo. 

No campo científico, um ser pleno de verve investiga o compor dessas ficções que nos marcam humanos, que atravessam o tempo e as diferentes materialidades em que é possível enredar o corpo: do livro ao palco; da emulsão aos ecrãs; dos espaços íntimos aos espaços de exposição; das redes sociais aos portais de notícias; dos media digitais aos simuladores; das ondas sonoras às ondas sempre porvir. 

Adjetivar como "Viva" aquilo que já é parte da própria vida, a Ficção, pode parecer redundante. Mas, ao longo tempo e dos diversos modos que o bicho humano ficciona, diante das tantas forças mercantis, às vezes a Ficção entra no automático, canoniza, elege um único caminho, se enterra no papel, na película, na cortina, no desejo de estar certo e repetir, na faixa mais vendida, na guerra de poder, no extermínio, no interdito… Às vezes já não é possível chamar de "Viva", quando o motor de criar foi desligado e ficou o piloto automático, o olho cansado, a cabeça assente, a mão adestrada. O viço, às vezes, deixa a Ficção. 

Neste número, nossa proposta é trazer a lume alguns casos em que a Ficção luta pela vida, e colecionar, com este Dossier, uma diversidade de materialidades, procedimentos criativos e experimentos ficcionais possíveis relatados e analisados em diferentes áreas da criação humana, que, de algum modo, contribuem para uma visão mais ampla das potencialidades da Ficção para o viver.  

De  01 de fevereiro a 30 de abril de 2024, a ROTURA – Revista de Comunicação, Cultura e Artes, do Centro de Investigação em Artes e Comunicação da Universidade do Algarve, recebe Artigos, Ensaios, Entrevistas, Relatos de Processo, Crônicas de Arte e Ensaios Visuais para o Dossier temático “Ficção Viva”, e traz como sugestões os seguintes eixos temáticos, mas não somente:

  • Invenção de ser 
  • Narrativas de si e do outro
  • A construção do sujeito na/pela ficção
  • Natureza e ficção 
  • Jogos e artifícios 
  • História e teorias da ficção 
  • Poéticas ficcionais
  • Autoficção 
  • Metaficção 
  • Educação pela ficção 
  • Literatura dos afetos

Editores Responsáveis: 

Francisco Silva Cavalcante Jr. (Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Brasil) cavalcante@ufc.br 

Mirian Tavares (Universidade do Algarve, Faro, Portugal) mtavares@ualg.pt 

Patrícia Dourado (Universidade do Algarve, Faro, Portugal) apdourado@ualg.pt

Datas Importantes:
Prazo para submissão de artigos: 30-04-2024
Notificação de aceitação: 28-06-2024
Envio da versão final: 13-09-2024
Publicação: 30-09-2024

A chamada para a secção Varia, que acolhe artigos de temática livre, assim como para Recensões, Ensaios, Crónicas de Arte e Entrevistas permanece aberta em fluxo contínuo.

Discurso de Ódio Online: Impactos, Prevenção e Intervenção

Na última década, o aumento da visibilidade e exposição do discurso de ódio online tem despertado preocupações culturais, sociais e académicas. Esta questão abrange tópicos como a polarização social, política e religiosa, a disseminação de ideologias de ódio, a promoção da violência através de propaganda e recrutamento online, e o impacto no bem-estar dos indivíduos envolvidos, com implicações na construção de um discurso pluralista, próprio de sociedades pacíficas, justas e inclusivas.

Com o intuito de aprofundar o conhecimento sobre o tema e abordar formas eficazes de prevenir e intervir no discurso de ódio online, convidamos a comunidade científica a submeter estudos e abordagens teóricas e empíricas que contribuam para o entendimento dos seguintes tópicos:

  • Impacto do discurso de ódio online na sociedade.
  • Influência do ambiente digital no comportamento e desenvolvimento de crianças, jovens e adolescentes.
  • Interações de jogadores online e comunidades digitais de jogos como espaços propícios para a disseminação do discurso de ódio.
  • Análise de estratégias e iniciativas eficazes de prevenção e intervenção no discurso de ódio online.
  • O papel das redes sociais na promoção de uma cultura de paz, justiça e instituições fortes.
  • Impacto da pandemia e do ensino a distância na exposição de crianças e jovens ao discurso de ódio e comportamentos de risco online.
  • Políticas públicas e marcos regulatórios para reagir ao discurso de ódio e à violência online.
  • Outros estudos relacionados com discurso de ódio.

Editores:

Anthony Brooks (Aalborg University)
Ana Filipa Martins (CIAC, Universidade do Algarve)
Janice Richardson (Digital Citizenship Expert, Council of Europe)
Susana Costa (CIAC, Universidade do Algarve, Universidade Aberta)

Datas Importantes:

Prazo para submissão de artigos: 07-01-2024
Notificação de aceitação: 26-01-2024
Envio da versão final: 02-02-2024
Publicação: 29-02-2024

A chamada para a secção Varia, que acolhe artigos de temática livre, assim como para Recensões, Crónicas de Arte e Entrevistas permanece aberta em fluxo contínuo.


Chamada de trabalhos em permanência

  • Varia (artigos distintos do dossiê temático);
  • Recensões e Entrevistas;
  • Crónica de Arte.