Número Atual

v. 2 n. 2 (2022): Cinemas Silenciosos em Portugal

Apesar do meritório trabalho pioneiro de Manuel Felix Ribeiro, António Horta e Costa ou Fernando Duarte, e dos trabalhos mais recentes publicados por António Ferreira, José de Matos-Cruz ou Tiago Baptista, o período do cinema silencioso (1895-1930) é um dos menos estudados na história do cinema em Portugal. O distanciamento cronológico, a dificuldade crónica no acesso às fontes, ou mesmo o seu desaparecimento, tem sido os principais obstáculos a uma prática historiográfica mais regular e abrangente sobre o período, geralmente muito centrada na narrativa expositiva sobre a estilística dos filmes e dos seus autores (nomeadamente os realizadores), o que desvaloriza ou ignora aspectos contextuais como a economia ou o quadro sócio-cultural.

O objetivo deste número especial é oferecer uma actualização sobre os estudos relacionados com essas primeiras três décadas do cinema em Portugal e, simultaneamente, lançar novas pistas para o estudo de assuntos e objetos menos valorizados ou até mesmo ignorados na prática historiográfica em torno do cinema em Portugal, nomeadamente:

  • Cinema exhibition venues in the era of silent cinema;
  • Unique sound experiences used to accompany the films (such as voice recordings, musical accompaniment);
  • Production models in silent cinema;
  • Silent cinema in the Portuguese press (for example, the emergence of specialized magazines and commercial dissemination in the non-specialized press);
  • Critical reception in the transition from silent to sound;
  • Women in Portuguese silent cinema;
  • Foreign contributions to Portuguese silent cinema (for example, directors such as Maurice Mariaud);
  • The distribution of silent cinema in Portugal;
  • Restoration and digital reproduction of silent films in Portugal.

Despite the praiseworthy pioneering work of Manuel Felix Ribeiro, António Horta e Costa or Fernando Duarte, and recent works published by António Ferreira, José de Matos-Cruz or Tiago Baptista, the era of silent cinema (1895-1930) is one of the least studied in the history of Portuguese cinema. The chronological distance, the chronic difficulty in accessing sources, or even their disappearance, have been the main obstacles to a more regular and comprehensive historiographical practice about the period; furthermore, existing studies are generally extremely focused on the expository narrative about the stylistics of the films and their creators (namely the directors), thus underestimating or disregarding contextual constraints such as the economy or the socio-cultural framework.

The purpose of this special issue is to provide an update on studies related to those first three decades of Portuguese cinema and, simultaneously, to launch new leads for the study of subjects and objects that have been underestimated or even disregarded in the historiographical practice around cinema in Portugal, particularly:

  • Cinema exhibition venues in the era of silent cinema;
  • Unique sound experiences used to accompany the films (such as voice recordings, musical accompaniment);
  • Production models in silent cinema;
  • Silent cinema in the Portuguese press (for example, the emergence of specialized magazines and commercial dissemination in the non-specialized press);
  • Critical reception in the transition from silent to sound;
  • Women in Portuguese silent cinema;
  • Foreign contributions to Portuguese silent cinema (for example, directors such as Maurice Mariaud);
  • The distribution of silent cinema in Portugal;
  • Restoration and digital reproduction of silent films in Portugal.
Publicado: 2022-09-28

Número Completo

Ver Todos os Números

Início

Sobre a revista

English below

Rotura – Revista de Comunicação, Cultura e Artes é uma publicação do Centro de Investigação em Artes e Comunicação, financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia. Esta revista é publicada semestralmente em acesso aberto.

Âmbito e Política Editorial

Revista Rotura publica investigação nas áreas da Comunicação, Cultura e Artes, nomeadamente no campo dos estudos artísticos (artes visuais, média-arte digital, cinema, teatro) e culturais, da comunicação e dos estudos literários (arquivos digitais, edições críticas digitais), mantendo um caráter interdisciplinar. É uma publicação do sistema OJS, com práticas de arbitragem científica rigorosas que integra especialistas de todo o mundo. O objetivo da Rotura é promover o avanço do conhecimento científico e a divulgação de resultados de investigação nas áreas em que atua, através de uma política de acesso livre ao conhecimento.

Acesso Aberto

Esta é uma publicação de acesso aberto, o que significa que todo o conteúdo é disponibilizado gratuitamente, sem custos para o utilizador ou para a sua instituição. Os utilizadores estão autorizados a ler, copiar, distribuir, imprimir, pesquisar ou criar links para os textos completos dos artigos, ou usá-los para qualquer outra finalidade lícita, sem pedir permissão prévia ao editor ou ao autor.

Publicação

A Revista Rotura é publicada pelo Centro de Investigação em Artes e Comunicação (CIAC). O CIAC é um centro de investigação multidisciplinar, com sede na Universidade do Algarve, que atua na área dos estudos artísticos, culturais e da comunicação. A Revista Rotura segue os mais altos padrões de revisão por pares e envolve investigadores nacionais e internacionais.

Os autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação com o trabalho simultaneamente licenciado sob uma licença Creative Commons BY-NC-ND 4.0. Este licenciamento permite que outros partilhem e adaptem o trabalho, para efeitos não comerciais, com o reconhecimento da autoria do trabalho.

A Revista Rotura é gratuita: sem custo para autores ou leitores, disponível sob a licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 4.0.

Estrutura da Revista

A Revista Rotura prevê quatro secções na sua estrutura:

  1. Dossiês temáticos;
  2. Varia;
  3. Recensões e Entrevistas;
  4. Crónica de Arte.

Política de Revisão por Pares

Tal como apontado anteriormente, a Revista Rotura segue o processo de revisão por pares duplo-cego (double-blind peer review), estando a decisão de publicar dependente do parecer favorável de dois revisores externos, sendo um deles falante nativo da língua usada no trabalho. Os revisores, peritos académicos ou profissionais, de diferentes proveniências institucionais e geográficas, serão recrutados do conselho editorial e, segundo a temática da revista e o conteúdo dos trabalhos submetidos, das áreas das Ciências da Comunicação e de outras Ciências Sociais e Humanas.

Plágio

Os artigos enviados são verificados, recorrendo a instrumentos eletrónicos (Urkund e Dupli Checker) de verificação de duplicação. Nos casos em que for detetado plágio ou a inclusão indevida ou insuficientemente referida de material de direitos autorais de terceiros, ou em que a autoria do artigo for contestada, a Revista Rotura reserva-se o direito de tomar medidas, incluindo, mas não limitadas a: publicação de errata ou retificação (correção); recolha do artigo; ação junto do chefe de departamento ou decano da instituição do autor e/ou órgãos ou sociedades académicas relevantes; ou as medidas legais apropriadas. 

Preservação Digital

A Revista Rotura provê serviços de preservação digital que garantem um arquivo permanente e seguro. Os conteúdos publicados são compatíveis com os protocolos LOCKSS (Lots of Copies Keep Stuff Safe) e CLOCKSS (Controlled Lots of Copies Keep Stuff Safe). A Revista Rotura utiliza o protocolo OAI-PMH como mecanismo de intercâmbio de dados entre sistemas.

 

Revista Rotura é gratuita: não são cobradas taxas de processamento de artigos aos autores e não há qualquer custo de acesso para os leitores. Está disponível sob a licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 4.0.

About this International Journal

Rotura – Journal of Communication, Culture and Arts is a publication of the Center for Research in Arts and Communication, funded by the Foundation for Science and Technology. This publication is published twice a year, on an open access basis.

Focus and Scope

Rotura – Journal of Communication, Culture and Arts publishes research in the areas of Communication, Culture and Arts, namely in the field of artistic studies (visual arts, digital media art, cinema, theater) and cultural studies, communication, and literary studies (digital archives, digital critical editions), maintaining an interdisciplinary character. It is a publication of the OJS system, with rigorous scientific refereeing practices, that integrate experts from around the world. The objective of Rotura is to promote the advancement of scientific knowledge and the dissemination of research results in the referred areas, through a policy of free access to knowledge.

Open Access

This is an open access journal which means that all content is freely available without charge to the user or his/her institution. Users are allowed to read, download, copy, distribute, print, search, or link to the full texts of the articles, or use them for any other lawful purpose, without asking prior permission from the publisher or the author.

Publishing

Rotura is published by the Research Centre for Arts and Communication (CIAC). CIAC is a multidisciplinary research centre, based at the University of Algarve, which works in the field of artistic, cultural and communication studies. The journal follows the highest standards of peer review and involves national and international researchers.

Authors retain copyright and grant the journal the right of first publication with the work simultaneously licensed under a Creative Commons BY-NC-ND 4.0. This licensing allows others to share and adapt the work with acknowledgement of the work's authorship and initial publication in this journal, but not for commercial use.

Rotura is free: no charge for authors or readers, available under the Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 4.0 license.

Structure of the Publication

Rotura provides four sections in its structure:

  1. Thematic dossiers;
  2. Varia;
  3. Reviews and Interviews;
  4. Art Chronicle.

Peer Review Policy

As previously mentioned, Rotura follows the double-blind peer review process, with the decision to publish dependent on the favorable opinion of two external reviewers, one of whom is a native speaker of the language used in the work. Reviewers, academic or professional experts, from different institutional and geographical backgrounds, will be recruited from the editorial board and, according to the journal's theme and the content of the submitted works, from the areas of Communication Sciences and other Social and Human Sciences.

Plagiarism

Submitted articles are checked using electronic instruments (Urkund and Dupli Checker) to check for duplication. In cases where plagiarism or the improper or insufficiently mentioned inclusion of third-party copyright material is detected, or where the authorship of the article is disputed, Rotura reserves the right to take measures, including, but not limited to: publication of errata or rectification (correction); article collection; action with the head of department or dean of the author's institution and/or relevant academic bodies or societies; or appropriate legal measures.

Digital Preservation

Rotura provides digital preservation services that guarantee a permanent and secure archive. The published content is compliant with the Lots of Copies Keep Stuff Safe) and CLOCKSS (Controlled Lots of Copies Keep Stuff Safe) protocols. Rotura uses the OAI-PMH protocol as a data exchange mechanism between systems.

 

Rotura is free of charges: no article processing fees are charged to authors and there is no access charges for readers. It is available under the Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 4.0 license.


Esta publicação é financiada por fundos nacionais através do projeto "UIDP/04019/2020 CIAC" da Fundação para a Ciência e Tecnologia.
This publication is financed by national funds through the project "UIDP/04019/2020 CIAC" of the Foundation for Science and Technology.